Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Inovar no Presente,
Garantir o Futuro!

Sections

Maria Velho da Costa vence Prémio Casino da Póvoa

Póvoa de Varzim, 24.02.2010 - Maria Velho da Costa é a vencedora do Prémio Literário Casino da Póvoa com a obra Myra. O anúncio foi feito há momentos na Sessão Oficial de Abertura, no Casino da Póvoa.

Notícias

Maria Velho da Costa vence Prémio Casino da Póvoa

Póvoa de Varzim, 24.02.2010

Póvoa de Varzim, 24.02.2010 - Maria Velho da Costa é a vencedora do Prémio Literário Casino da Póvoa com a obra Myra. O anúncio foi feito há momentos na Sessão Oficial de Abertura, no Casino da Póvoa.

O júri, composto por Patrícia Reis, Carlos Vaz Marques, Dulce Maria Cardoso, Fernando J.B. Martinho e Vergílio Alberto Vieira, escolheu, entre 160 livros submetidos a concurso, dez obras finalistas. Eram elas: A Eternidade e o Desejo, de Inês Pedrosa; A Mão Esquerda de Deus, de Pedro Almeida Vieira; A Sala Magenta, de Mário de Carvalho; Myra, de Maria Velho da Costa; O apocalipse dos trabalhadores, de valter hugo mãe; O Cónego, de A. M. Pires Cabral; O Mundo, de Juan José Millás; O verão selvagem dos teus olhos, de Ana Teresa Pereira; Rakushisha, de Adriana Lisboa e Três Lindas Cubanas, de Gonzalo Celorio.

Maria Velho da Costa vence o Prémio Literário Casino da Póvoa depois de Lídia Jorge, com O Vento Assobiando nas Gruas (2004), António Franco Alexandre, com Duende (2005); Carlos Ruíz Záfon, com A Sombra do Vento (2006); Ana Luísa Amaral, com A Génese do Amor (2007); Ruy Duarte de Carvalho, com desmedida (2008); e Gastão Cruz, com A Moeda do Tempo (2009).

O Prémio Literário Casino da Póvoa, no valor de 20 mil euros, é o único prémio de cariz internacional que, em Portugal, ultrapassa as fronteiras da Língua Portuguesa.

Maria Velho da Costa é licenciada em Filologia Germânica, foi professora no ensino secundário e membro da direcção da Associação Portuguesa de Escritores. Tem o Curso de Grupo-Análise da Sociedade Portuguesa de Neurologia e Psiquiatria e foi membro da Direcção e Presidente da Associação Portuguesa de Escritores, de 1973 a 1978. Foi leitora do Departamento de Português e Brasileiro do King's College, Universidade de Londres, entre 1980 e 1987. Tem sido incumbida pelo Estado português de funções de carácter cultural: foi Adjunta do Secretário de Estado da Cultura em 1979 e Adida Cultural em Cabo Verde de 1988 a 1991. Desempenhou ainda funções na Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses e trabalha actualmente no Instituto Camões.

Consagrada, já em 1969, com o romance Maina Mendes, tornou-se mais conhecida depois da polémica em torno das Novas Cartas Portuguesas (1971), obra em que se manifesta uma aberta oposição aos valores femininos tradicionais. Esta publicação claramente anti-fascista e altamente provocatória para o regime, levou as suas três autoras a tribunal, tendo o 25 de Abril interrompido as sanções a que estavam sujeitas as denominadas 3 Marias: Maria Velho da Costa, Maria Teresa Horta e Maria Isabel Barreno.

Às teses de reivindicação feminina já enunciadas em “Novas Cartas Portuguesas", acrescenta-se, na sua obra, um inconformismo quanto aos cânones narrativos, inconformismo esse que se pode verificar também na sua obra de ensaio.

Sobre a obra vencedora: Myra é uma rapariga russa que deambula pelas paisagens tristes do Portugal contemporâneo, em fuga rumo ao Sul, mas com esperanças de voltar ao Leste de onde emigrou. Durante a longa jornada iniciática, sempre com um Pitbull Terrier por perto, ela revela um extraordinário instinto de sobrevivência, feito de “manha e força”. Conforme as circunstâncias, ora cita Camões, ora fala como a “lerdinha” que não é. E assim vai avançando por entre “criaturas íngremes”, através dos vários círculos do Mal, num mundo cheio de “dor e dano”.
A primeira parte do romance é composta por uma sucessão de encontros on the road: com um camionista alemão, amante de uma pintora desbocada que faz lembrar Paula Rego; com um padre, heterodoxo ao ponto de dizer que “a castidade é porca” (enquanto transporta na sua carrinha uma mulher a morrer de SIDA); com um marinheiro cego e maneta chamado Alonso (como o herói do Quixote); entre outras personagens menores. Isto até descobrir Orlando/Rolando, um “rapaz pardo” que lhe aparece todo vestido de branco junto a um Land Rover também branco, “parado como um dócil corcel expectante”. A partir daqui, a história como que estaca na esfera deste cabo-verdiano, a quem Myra se entrega num idílio amoroso, cortado cerce por uma cena de carjacking que precipita de vez a acção no mais sórdido sub-mundo do crime.

O Prémio será entregue no sábado, na Sessão de Encerramento do Correntes d'Escritas.