Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Inovar no Presente,
Garantir o Futuro!

Sections

Salvamento marítimo em destaque na abertura das Comemorações dos 200 anos do Nascimento do Cego Maio

No passado sábado, 7 de outubro, arrancaram as Comemorações dos 200 anos do Nascimento do Cego Maio, com a presença do Chefe do Estado-Maior da Armada e Autoridade Marítima Nacional, Almirante António Silva Ribeiro.

Notícias

Salvamento marítimo em destaque na abertura das Comemorações dos 200 anos do Nascimento do Cego Maio

Póvoa de Varzim, 09.10.2017

No passado sábado, 7 de outubro, arrancaram as Comemorações dos 200 anos do Nascimento do Cego Maio, com a presença do Chefe do Estado-Maior da Armada e Autoridade Marítima Nacional, Almirante António Silva Ribeiro.

Ao final da manhã, o Presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, Aires Pereira, recebeu o Almirante António Silva Ribeiro no edifício dos Paços do Concelho e, de seguida, procederam à deposição de flores no busto de Cego do Maio, no Passeio Alegre. Da autoria do escultor Romão Júnior, o monumento foi construído por iniciativa dos poveiros emigrados no Brasil, em 1909. Veja a fotogaleria.

No período da tarde, o programa comemorativo decorreu no Museu Municipal com a aposição do selo e do carimbo comemorativos. Seguiu-se a abertura da exposição da exposição “Cego do Maio e a História Trágico-Marítima dos Poveiros”. A Diretora do Museu Municipal, Deolinda Carneiro, conduziu uma visita guiada à exposição que destaca a figura e ação do herói poveiro José Rodrigues Maio, utilizando o espólio documental de Museu e Arquivo Municipal, bem como embarcações, peças e fotografias, renovando-se, também, a apresentação das artes de pesca. A mostra estará patente até outubro de 2018 para que todos tenham oportunidade de visitar.

O Presidente da Câmara Municipal, Aires Pereira, o Chefe do Estado-Maior da Armada e Autoridade Marítima Nacional, Almirante António Silva Ribeiro, o Vice-Almirante Luís Sousa Pereira e José Festas, Presidente da Associação Pró-Maior Segurança dos Homens do Mar (APMSHM), foram os intervenientes da Conferência “Salvaguarda da Vida Humana no Mar”, moderada por Miguel Marques, da PwC.

Antes das intervenções, o Presidente da Câmara pediu um minuto de silêncio por aqueles que já não estão entre nós e perderam as suas vidas no mar.

O edil referiu que “a melhor homenagem que podemos fazer a Cego do Maio é aproveitar estas comemorações para falarmos daquilo que era a sua principal atividade, a segurança. Portanto, vamos iniciar as comemorações falando sobre segurança e refletindo um pouco sobre a economia da pesca, a importância que tem para a nossa comunidade e os desafios que temos pela frente”.

Neste sentido, Aires Pereira transmitiu que “cada vez mais, o Porto da Póvoa de Varzim vai ser o porto de referência da atividade da pesca. Devido a profundas alterações que o Porto de Leixões vai sofrer nos próximos anos, vai ser necessário fazer um estudo bastante profundo nas zonas de estacionamento do nosso porto, ou seja, vai obrigar a novos desenvolvimentos e um ordenamento do espaço”.

O edil reconheceu que “a atividade profissional da pesca está muito condicionada por causa das condições do porto”, alertando, uma vez mais para a necessidade de dragagens no porto e falta de areia nas nossas praias.

A propósito do salvamento marítimo, o Almirante António Silva Ribeiro indicou que a Autoridade Marítima Nacional tem uma taxa de sucesso do serviço de 97,9%, acrescentando que “somos os melhores porque temos o espírito do Cego do Maio”.

E referindo-se, em concreto, à Póvoa de Varzim, revelou que no próximo ano teremos o primeiro salva-vidas da nova geração que se chamará “Cego Maio” e, no início de 2018, será também colocada uma estação do Projeto Costa Segura na nossa cidade. Trata-se da instalação que radares junto às barras que emitem informação digital e permitem um seguimento automático e geração de alarmes em caso de perigo. Além disso, o Chefe do Estado-Maior da Armada e Autoridade Marítima Nacional avançou a criação do Programa Cego do Maio, organização de voluntários que apoie o salvamento marítimo coordenado pelo Instituto de Socorros a Náufragos.

O Almirante António Silva Ribeiro recebeu uma agulha de marear oferecida pelo Presidente da Câmara, uma camisola poveira do Grupo de Amigos do Museu, e ainda uma réplica do antigo salva-vidas Cego do Maio de José Festas.

O Presidente da APMSHM revelou que “nós, pescadores, revemo-nos muito no Cego do Maio porque sempre que vemos alguém em perigo no mar socorremos”.

O programa desta tarde terminou com a apresentação do livro Cego do Maio e o Mar de Manuela Costa Ribeiro, que a autora dedicou a um dos seus heróis, o pai, acrescentando que “há muitos Cegos do Maio e não é só no mar”. Uma vez mais, referiu-se ao seu fascínio pelo mar e paixão pelos pescadores que se refletem sua na obra.

Trata-se da nova edição de Cego do Maio: anjo da salvação, que a autora lançou em 2005, e agora é publicado pela Opera Omnia, com ilustrações de Alex Gosblau. A autora explicou: “não me apeteceu fazer uma segunda edição do livro. Por isso, reescrevi a história. As ilustrações também foram feitas por uma pessoa diferente, alguém que não conhece nada da Póvoa e as fez somente a partir do texto”, acrescentando que “estou muito feliz com as ilustrações porque desregionaliza Cego do Maio”.

O livro foi oferecido na sessão de lançamento e agora está à venda na Biblioteca Municipal.

Veja a fotogaleria.

O programa comemorativo dos 200 anos do nascimento do Cego do Maio termina em outubro de 2018. Acompanhe todos os momentos através da página do Facebook criada para o efeito.