Passar para o conteúdo principal

Póvoa de Varzim, 22.02.2013 - Carmen Dolores, António Mega Ferreira e Almeida Faria apresentaram, esta manhã, os livros No palco da memória, Cartas de Casanova e A Paixão.

A atriz confessou que não esperava escrever um segundo livro de memórias, “embora o primeiro tivesse como título Retrato inacabado”. Considerada por muitos como uma das melhores do nosso tempo, Carmen Dolores afirmou que gosta de escrever desabafos “e comecei a anotar numa espécie de diário o que me ia acontecendo, o que ia observando, o que me despertava mais interesse… e assim surgiu este No palco da memória, para que fique um registo daquela que ainda sou, uma referência aos trabalhos em que fui participando, e até um recordar do que se escreveu a meu respeito”. Este é um testemunho de uma mulher e do seu tempo. As estreias, as interpretações no teatro, cinema e televisão e as amizades com atores e escritores conhecidos do grande público, são alguns dos temas-chave deste livro, ricamente ilustrado com fotografias do arquivo pessoal da autora.

António Mega Ferreira, pela primeira vez no Correntes d’Escritas, disse que “teria muito gosto em participar no próximo ano. Já estou a fazer-me de convidado”. Sobre Cartas de Casanova, contou que: “No verão de 1757, o aventureiro Giacomo Casanova, que se evadira pouco antes da prisão dos Piombi, em Veneza, desembarca em Lisboa. O espetáculo das ruínas provocadas pelo terramoto ultrapassa tudo aquilo que ele podia imaginar. Durante seis semanas, Casanova faz os possíveis por entender os portugueses: como é possível que a vida dos habitantes da cidade se tenha acomodado a uma tal desorganização? Conhece o comerciante Ratton e o conde de S. Lourenço, o livreiro Reycend e o marquês de Alegrete, o poeta Correia Garção e a condessa de Pombeiro. E até se encontra com o misterioso marquês de X. Chega finalmente à fala com Sebastião José de Carvalho e Melo, ainda não Oeiras, ainda não Pombal, a quem tenta vender o projeto de uma lotaria real. Exaspera-se e diverte-se, seduz e perde ao jogo, e encontra tempo para escrever seis cartas a cinco personagens importantes da sua vida. «Rien ne pourra faire que je ne me sois amusé» é a divisa que o guia. Mesmo em Lisboa. Mesmo depois do Grande Terramoto.

Almeida Faria, que reedita a sua obra A Paixão, assumiu que gosta muito de escrever, mas que “a vida literária sempre me foi muito penosa”. Sobre novos romances, o escritor confessou que “ainda não me apetece publicar romances. Não está na minha mira imediata”.

Sobre a reedição de A Paixão, a editora explica: “Ler Almeida Faria é regressar, de outro modo, a Yoknapatawpha, a criação de William Faulkner para o implacável sul, essa paisagem de morte, infortúnio, exasperação e declínio. A Paixão é a reinvenção desse sul povoado de vozes que se sucedem e se contaminam. Não é por acaso que a stream of consciousness de Piedade anuncia a de João Carlos que anuncia a de Arminda que anuncia a da Mãe que anuncia a de André que anuncia a de Francisco que anuncia a de Jó que anuncia a de Tiago que anuncia a de Moisés que anuncia a de Estela, e assim sempre, com alguns sobressaltos e descontinuidades, num vórtice cruzado de tempos, qualia, experiência. Yoknapatawpha densamente povoada, cingida a uma duração que parece transbordar como negra densidade do tempo: «Manhã», «Tarde», «Noite». Ler Almeida Faria é compreender como só a palavra poderá fazer do espaço tempo, numa modulação do humano que é, afinal, uma lógica do sensível e do concreto em que as ideias são ideias do corpo, ideias no corpo, e em que o brilho metafísico do mundo é devolvido, como um eco sem origem ou cuja origem não poderá sequer ser ponderada. Tudo acaba em morte, mas também em ressurreição, a ressurreição do que não tem nome, ainda. A Paixão será porventura a mais espessa cortina de linguagem que a literatura portuguesa terá produzido na segunda metade do século XX. Podemos dizer, quase nostalgicamente, que já foi grande a escrita em português”.

Acompanhe o Correntes d’Escritas no portal municipal.

Aviso: Procissão em Honra do Santíssimo Sacramento: alterações ao trânsito automóvel

No dia 10 de julho, vai-se realizar, em Amorim, a Procissão em Honra do Santíssimo Sacramento.

Neste sentido, e de modo a garantir as adequadas condições de segurança dos arruamentos, haverá algumas alterações ao trânsito automóvel na freguesia.

Saiba mais aqui.

Aviso: Obras no Estádio do Varzim: constrangimentos de trânsito

Informam-se os munícipes que, por questões de segurança, será cortada a circulação ao trânsito na Rua Dr. Armindo Graça, a partir das 10h00 do dia 6 de junho, devido ao inicio da empreitada de Desmantelamento da Cobertura da Bancada Norte do Estádio do Varzim Sport Club.

Saiba mais aqui.