Recorde-se que este evento, Correntes D’escritas, vem-se
afirmando como um dos grandes acontecimentos literários, mesmo além fronteiras,
e é também mote para a entrega de dois galardões: o Prémio Literário Casino da
Póvoa, acima referido, e o Prémio Literário Correntes D’escritas/Papelaria
Locus.

Este ano, ambas as distinções são atribuídas na
categoria poesia, sendo que os prémios atribuídos são de 20.000€ e 750€,
respectivamente.

O Prémio Literário Casino da Póvoa é, talvez, um dos
mais elevados do país, em termos monetários, e leva a concurso obras em
primeira edição, publicadas entre Junho de 2004 e Junho deste ano em Portugal,
por autores de língua portuguesa ou espanhola. É o único prémio de cariz
internacional que, em Portugal, ultrapassa as fronteiras da Língua Portuguesa.
A adesão de participantes tem sido, como em anos anteriores, bastante
significativa, sendo que para o prémio atribuído pelo Casino da Póvoa estão cerca
de uma centena de livros a concurso, mas ainda restam alguns dias mais para
aqueles que desejem participar.

Já o Prémio Literário Correntes D’escritas/Papelaria
Locus destina-se à descoberta de novos autores, entre os 15 e os 18 anos, que
deverão concorrer com poemas inéditos. A data limite para entrega de trabalhos
nesta categoria termina a 30 de Novembro.

O Correntes D’escritas vai decorrer de 7 a 10 de
Fevereiro e enquanto evento literário, define-se como um encontro de escritores
ibéricos, único no nosso país. Aqui se encontram e reencontram poetas,
ficcionistas, contistas, críticos e agentes literários, professores, editores,
jornalistas ou simplesmente leitores. Nomes como Lídia Jorge, Eduardo Lourenço,
Agustina Bessa-Luís, Eduardo Prado Coelho, Mia Couto, Rui Zink, entre muitos,
muitos outros, já passaram pela Póvoa e pelo Correntes. Muitos voltaram, para
apresentar os seus livros ao público poveiro, dando o merecido destaque à Póvoa
de Varzim como cidade de cultura.