A obra será
apresentada pelo escritor e jornalista Manuel Jorge Marmelo.


Sinopse da obra

No tempo em que os Portugueses
imperavam sobre o arquipélago de Cabo Verde, aconteceu num domingo de Páscoa,
na minúscula freguesia do Lém, estar a morrer a mulher mais beata que a ilha de
Santiago conhecera. Interpelando-a as netas sobre a sua última vontade, não
quis ela, como seria de esperar, chamar o padre, respondendo em vez disso que
gostaria de ser fotografada. Porém, assim que o flash disparou, um mistério inexplicável varreu a
ilha de lés a lés; e, quando, ao fim
de muitas peripécias, a fotografia foi finalmente revelada, a surpresa foi tão
impossível que não houve, no mundo inteiro, uma só alma que conseguisse manter a
boca fechada. A ilha quase ia ao fundo com a confusão…

Se o Antigo
Testamento anuncia a vinda do Messias e o Novo Testamento narra a vida, a morte
e a ressurreição de Jesus, este Novíssimo
Testamento
é uma autêntica revolução: pois dá testemunho da reencarnação de
Jesus no corpo de uma mulher – ilhéu e africana – que parece ter vindo
inaugurar a Terceira Idade do Mundo, mas não está livre de enfrentar os
preconceitos sociais, religiosos e políticos do seu tempo.

Vencedor do Prémio
Literário Carlos de Oliveira em 2009 pela notável capacidade de efabulação
(basta referir o menino que desabotoa vestidos com assobios ou a lua velha que
dá noites ferrugentas) e pelo poder da linguagem (um léxico vasto e rico), este
romance aborda o religioso de uma forma original que denota um amplo
conhecimento sobre o tema. Irónico, satírico e, por vezes, profundamente
hilariante, O Novíssimo Testamento
há-de ser Sagrada Escritura para muitos leitores.

 

Biografia do autor

Mário Lúcio Sousa
(Lúcio Matias de Sousa Mendes) nasceu no Tarrafal, Ilha de Santiago, Cabo
Verde, em 21 de Outubro de 1964. Licenciado em Direito pela Universidade
de Havana, Cuba. Deputado do Parlamento Caboverdeano entre 1996 e 2001.
Embaixador Cultural de Cabo Verde. Condecorado pelo seu país em 2006 com a
Ordem do Vulcão, ao lado de Cesária Évora, sendo ele o artista mais jovem a
receber tal distinção.

Na música, foi
fundador e líder do grupo musical Simentera, Compositor, multi-instrumentista e
estudioso da música tradicional. Já gravou com Manu Dibango, Touré Kunda,
Paulinho Da Viola, Maria João e Mário Laginha, Gilberto Gil, Luís Represas,
Milton Nascimento, Pablo Milanês, Harry Belafonte, Toumani Diabate, Mario
Canonge Ralph Tamar, Pedro Jóia, Teresa Salgueiro entre outros.

Na Literatura. É autor das seguintes obras: Nascimento
de Um Mundo
(poesia, 1990); Sob os
Signos da Luz
(poesia, 1992), Para
Nunca Mais Falarmos de Amor
(poesia, 1999), Os Trinta Dias do Homem mais Pobre do Mundo (Ficção, 2000 – prémio
do Fundo Bibliográfico da Língua Portuguesa, 1ª edição), Vidas Paralelas (Ficção, 2003), Saloon
(Teatro, 2004), Teatro (colectânea,
2008). Vencedor do Prémio Carlos de Oliveira 2009.