A iniciativa foi
apresentada esta tarde, 7 de dezembro, nas instalações do Pólo do MAPADI, em
Terroso, com uma sessão de confeção de compotas com os clientes do CAO, coordenada
pelo Chefe Rogério Gago, numa parceria com a Prochef Agency.

A ação contou com a presença de Andrea Silva, Vereadora da Ação Social da
Câmara Municipal, António Ramalho, Diretor do MAPADI, e Orquídea Silva, da
Prochef Agency.

Andrea Silva afirmou que “o Município da Póvoa de Varzim apoia, uma vez
mais, uma iniciativa levada a cabo pelo MAPADI de abertura da instituição a um
serviço prestado à comunidade”. A autarca lembrou que “aos diferentes serviços
de lavandaria prestados pelos utentes junta-se, agora, a venda de biscoitos e
compotas que poderá ser mais uma receita para o MAPADI, contribuindo para a
sustentabilidade da instituição”.

Neste sentido, a Vereadora referiu que “é fundamental que hoje em dia as
instituições procurem outras formas de se financiarem e o MAPADI fá-lo
incluindo as pessoas que aqui residem e passam o dia”.

Andrea Silva realçou “o trabalho de inclusão da instituição,
transformando a rotina dos seus utentes com esta tarefa de confeção de compotas
que tanto entusiasmo despertou”.

António Ramalho disse que a parceria com a Prochef Agency foi importante
para o MAPADI, tornando assim possível que o Chefe Rogério Gago desenvolvesse
um novo conceito de compotas, de uma forma inovadora, com produtos como o alho
francês e o alecrim.

O Diretor do MAPADI referiu o facto dos biscoitos e compotas estarem à
venda nesta época natalícia, salientando a intenção de continuidade do projeto,
ou seja transformar produtos do Centro de Terroso, aproveitando a produção da
instituição para confecionar e adoçar a boca das pessoas, daí o nome do projeto
“Bocadoce”.

António Ramalho realçou a sustentabilidade deste projeto que tem como principais
objetivos
melhorar a socialização entre os clientes de CAO, através do trabalho em
grupo; aumentar os níveis de autoestima; desenvolver a coordenação motora; trabalhar
através do lúdico; fomentar o sentido da responsabilidade; desenvolver
competências académicas; desenvolver os sentidos e melhorar os aspetos básicos
de higiene e segurança na confeção dos alimentos.

Por enquanto do “Bocadoce”, a instituição espera continuar a dar receitas
para garantir a sua missão que é a reabilitação do cidadão com deficiência.
Para mais tarde, fica no ar a possibilidade destes jovens poderem vir a ser
integrados em atividades de emprego e empresarias da nossa comunidade, revelou
António Ramalho.

Orquídea Silva afirmou que a Prochef Agency abraçou este projeto vendo
nele a possibilidade de “promover o que os nossos chefes sabem fazer e passar a
sua paixão para estes jovens que tanto merecem”. Na sua opinião, é uma
responsabilidade social de cada um participar nestas ações.

Para o Chefe Rogério Gago, esta foi uma experiência muito agradável e gratificante,
destacando a destreza das suas “colaboradoras”. O Chefe manifestou o desejo de
que este seja um projeto com sucesso e que resulte em muitas vendas.