Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Inovar no Presente,
Garantir o Futuro!

Sections

Póvoa inserida no projecto de inventariação de arte sacra da Arquidiocese de Braga

Foi apresentado, no dia 20 de Junho, pelas 21h30, no Museu Municipal da Póvoa de Varzim, o projecto de inventariação do património de arte sacra da Arquidiocese de Braga, um projecto ambicioso, que, inicialmente vai abranger dois museus e seis igrejas na área da Arquidiocese.

Notícias

Póvoa inserida no projecto de inventariação de arte sacra da Arquidiocese de Braga

Póvoa de Varzim, 21.06.2006

Foi apresentado, no dia 20 de Junho, pelas 21h30, no Museu Municipal da Póvoa de Varzim, o projecto de inventariação do património de arte sacra da Arquidiocese de Braga, um projecto ambicioso, que, inicialmente vai abranger dois museus e seis igrejas na área da Arquidiocese.

A Igreja da Matriz e a Igreja do Senhor dos Navegantes, nas Caxinas, pertencentes ao arciprestado de Póvoa de Varzim e Vila do Conde, foram duas das igrejas seleccionadas para integrarem este projecto de inventariação, que deverá estar concluído dentro de um ano e que vai ainda abranger as colecções de pintura, numismática e de têxteis do Museu Pio XII, em Braga, as igrejas de Nossa Senhora da Oliveira, dos Santos Passos e de São Domingos, em Guimarães e a Igreja Matriz e o Museu de Arte Sacra, em Esposende.

No caso do arciprestado da Póvoa de Varzim e Vila do Conde, a tarefa de inventariação está facilitada, uma vez que, com a colaboração do Museu Municipal e do Monsenhor Manuel Amorim (entretanto falecido), foi feito um pré-inventário de arte sacra, que levou, em 2002, à publicação de “Opera Fidei, obras de arte num Museu de História” e à realização de várias exposições sobre o tema que, de acordo com responsáveis do Museu, foram das que atraíram mais visitantes nos últimos anos.
Sob a designação de “Projecto de inventariação do património da Arquidiocese de Braga: criação de uma base de dados”, esta iniciativa surge, conforme explicou o seu responsável, o Cónego José Paulo Abreu, “antes de mais, da necessidade de proteger um património rico e vasto, que, infelizmente, tem sido alvo de cobiça e roubo”. Mas, mais do que proteger, trata-se também de divulgar e dar a conhecer peças de inestimável valor. É por esse motivo que, após a conclusão da inventariação e da criação de uma base de dados, com imagens e fichas identificativas das peças inventariadas, passar-se-á à fase da divulgação que, como explicou o Cónego José Paulo Abreu, “passará pela colocação, em cada uma das igrejas que vão fazer parte desta fase inicial do projecto, de quiosques multimédia, que permitem consultar a base de dados referente à igreja em que se encontra o quiosque”. A realização de cinco sessões de apresentação de resultados, em Julho do próximo ano, a criação de uma página de Internet e a edição de desdobráveis e de oito volumes, referentes a cada um dos locais inventariados, são outras das formas escolhidas para divulgar os resultados e promover a partilha de informação.
O projecto é ambicioso e, de acordo com as estimativas, deverá levar à elaboração de 3620 fichas identificativas. O custo global rondará os 169 mil euros, dos quais 126 mil serão comparticipados pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento da Região Norte, cabendo à Arquidiocese o investimento de pouco mais de 42 mil euros.
O objectivo, como afirmou o responsável pelo projecto, é “realizar, nos próximos anos, o inventário de todas as igrejas da Arquidiocese, mas, para já, só é possível avançar nas igrejas e museus referidos”. A nível nacional há projectos semelhantes a decorrer nas dioceses do Porto, Lamego, Beja, Évora e Bragança-Miranda.