Nesta sessão que se destinava à população sénior, muitas vezes, menos informada e mais desprotegida juntaram-se 30 participantes. 

 “Prevenção de Fraude” e “Conhecimento da Nota e Moeda de Euro” foram os temas escolhidos e alguns colaboradores do Banco de Portugal esclareceram o público, em relação, às burlas relativas a medicamentos supostamente gratuitos, por toda a vida, mediante o pagamento em notas, de uma determinada quantia, a qual é solicitada no momento da abordagem. Aquando do recebimento do dinheiro, os burlões aproveitam para informar que as notas utilizadas para pagamento da referida quantia, deixaram de ter qualquer valor em resultado da entrada em circulação de novas notas de euro. Essa informação, servirá apenas como um pretexto para que as suas vítimas, entreguem todo o dinheiro que tiverem guardado em casa para, que supostamente, se possa proceder à sua substituição, pelas novas notas. Verificando que as vítimas usam peças em ouro, é ainda solicitado pelo burlões a entrega dessas e restantes peças, para a colocação de uma nova “marca” por se verificar o desgaste das anteriores ou necessidade de serem substituídas pelas atualmente exigíveis.

De seguida o Banco de Portugal, informou os participantes sobre as precauções que deverão ter em atenção, por forma a evitar a utilização indevida dos seus dados pessoais e na utilização de cartões de débito para pagamento de uma compra ou levantamento de dinheiro em caixas automáticas. Ainda dentro deste tema, “Prevenção de Fraude”, o Banco de Portugal aconselhou os participantes para aquando da necessidade de recorrerem ao crédito, independentemente do valor em causa, só o deverão fazer junto das instituições bancárias ou entidades habilitadas para o efeito.

As notas de euro também foram tema de esclarecimento e aqui todos os interessados ficaram a conhecer as características e elementos de segurança das mesmas, salientando que as notas das edições anteriores não perderam o seu valor. A recolha das notas das edições anteriores é efetuada, apenas, no  balcão das Instituições Bancárias ou do Banco de Portugal, não sendo autorizada a recolha por terceiros, junto da população.

Esta sessão contou com a presença da Vereadora do Vereadora do Desenvolvimento Económico, Lucinda Amorim e o Presidente da União de Freguesias da Póvoa de Varzim, Beiriz e Argivai Ricardo Silva. 

As próximas sessões realizam-se nos Centros Ocupacionais, nos dias 23 e 30 de outubro e têm como tema: “Responsabilidade dos Fiadores” e “Contas de Serviços Mínimos Bancários”.