Etiqueta: Correntes d’Escritas 2019

Apresentada obra premiada no Correntes d´Escritas 2019

Apresentada obra premiada no Correntes d´Escritas 2019

O livro Toda a água que nos une foi apresentado ao público na Biblioteca Diana Bar, sexta-feira à noite, numa sessão que contou com a intervenção do Vice-Presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, Luís Diamantino.
Apresentação de Toda a água que nos une, de Ana Paula Mateus

Apresentação de Toda a água que nos une, de Ana Paula Mateus

No dia 21 de junho, sexta-feira, às 21h30, será apresentado, na Biblioteca Diana Bar, o livro Toda a água que nos une, de Ana Paula Mateus.
Manuela Ribeiro distinguida com o grau de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique

Manuela Ribeiro distinguida com o grau de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique

O Presidente da República agraciou, ontem, 22 de abril, diversas personalidades e duas instituições numa cerimónia realizada no Palácio de Belém.
Assembleia da República atribui Voto de Louvor ao Correntes d'Escritas

Assembleia da República atribui Voto de Louvor ao Correntes d'Escritas

Na reunião plenária realizada esta manhã, a Assembleia da República aprovou, por unanimidade, a atribuição de um Voto de Louvor ao Correntes d'Escritas, apresentado pelos Deputados do Grupo Parlamentar do PSD.
21º Correntes d'Escritas vai a Navais

21º Correntes d'Escritas vai a Navais

Na passada sexta-feira, 22 de fevereiro, a Biblioteca Dr. Anselmo de Castro assinalou o seu 1º aniversário numa cerimónia, no edifício da Junta de Freguesia de Navais, que contou com a entrega dos prémios do 1º Concurso Literário promovido pela Biblioteca e com uma palestra por Francisco Pinto Balsemão.
"Temos que tornar este projeto mais abrangente". Presidente da Câmara lança desafio para 21º Correntes d'Escritas

"Temos que tornar este projeto mais abrangente". Presidente da Câmara lança desafio para 21º Correntes d'Escritas

A 20ª edição do Correntes d’Escritas ficou marcada pela maior proximidade à população da Póvoa de Varzim e pelo apoio do “Senhor Presidente da República, que demonstrou ser um grande adepto deste encontro de escritores”, afirmou o Presidente da Câmara da Póvoa de Varzim, na conclusão desta edição mais enriquecida de presenças e de novidades.
Terminou o encontrão que, há 20 edições, foi um encontrinho

Terminou o encontrão que, há 20 edições, foi um encontrinho

Do poema Este é o tempo foi retirado o verso que deu mote à última Mesa da 20ª edição do Correntes d’Escritas. 
Os lançamentos de livros da 20ª edição do Correntes d’Escritas voltam para o ano

Os lançamentos de livros da 20ª edição do Correntes d’Escritas voltam para o ano

Os últimos lançamentos de livros, desta 20ª edição do Correntes d’Escritas, decorreram esta tarde, nas Galerias Euracini 2.
A renúncia em vários tempos da Humanidade

A renúncia em vários tempos da Humanidade

“Este é o tempo em que os homens renunciam” foi o verso escolhido para tema da Mesa 11, este sábado, às 15h00, na sala principal do Teatro Garrett, no último dia da 20ª edição do Correntes d’Escritas.
Lançamentos de livros e apresentação “Chan de Pólvora Libraría” encerraram a manhã do último dia

Lançamentos de livros e apresentação “Chan de Pólvora Libraría” encerraram a manhã do último dia

Na manhã de hoje, a Sala Poesia foi pequena, para tantos espectadores que vieram assistir ao lançamento dos seguintes livros: Elogio da sombra, coleção de Poesia dirigida por Valter Hugo Mãe; Alegria para o Fim do Mundo, de Andreia C. Faria; Amar o tempo das grandes Maldições, de Luís Costa; Autópsia, de José Rui Teixeira.
A palavra é sagrada? Opiniões dividem-se na Mesa 10

A palavra é sagrada? Opiniões dividem-se na Mesa 10

Pois é preciso saber que a palavra é sagrada do poema Com fúria e raiva: foi este o verso de Sophia de Mello Breyner escolhido para ser tema da Mesa 10 da 20ª edição do Correntes d’Escritas. 
Enchente no Governo Sombra numa noite que começou com livros

Enchente no Governo Sombra numa noite que começou com livros

Mais quatro grandes livros foram apresentados aos leitores, na sala Poesia nas Galerias Euracini 2. O aperitivo certo antes do jantar, esta sexta-feira, dia 22, no Correntes d’Escritas.
E nunca as minhas mãos ficam vazias

E nunca as minhas mãos ficam vazias

E nunca as minhas mãos ficam vazias, verso retirado do poema Apesar das ruínas, de Sophia de Mello Breyner, foi o título da Mesa 9 do Correntes d’Escritas.
José António Pinto Ribeiro defendeu que é preciso defender a língua portuguesa

José António Pinto Ribeiro defendeu que é preciso defender a língua portuguesa

“A Cultura é cara, a incultura é mais cara ainda” foi o verso de Sophia que deu mote à Correntes à Conversa com José António Pinto Ribeiro, na sala de Atos do Teatro Garrett, esta sexta-feira, às 17h30.
Mais quatro livros lançados no 4º dia de Correntes d’Escritas

Mais quatro livros lançados no 4º dia de Correntes d’Escritas

O dia de hoje contou com três lançamentos de livros, e no terceiro foram apresentados os seguintes livros: Desta terra nada vai sobrar, de Ignácio de Loyola Brandão; Carta do Fim do Mundo, de José Manuel Fajardo; Pavese no Café Ceuta, de Francisco Duarte Mangas e Parafilias, de Alexandre Marques Rodrigues.
Tudo se perde em mim...

Tudo se perde em mim...

“Não se perdeu nenhuma coisa em mim” do Poema “O jardim e a casa” de Sophia de Mello Breyner, foi o tema da Mesa 8, a primeira desta tarde.
Pinto Balsemão lembra período pós-revolução e opina sobre fake news

Pinto Balsemão lembra período pós-revolução e opina sobre fake news

Francisco Pinto Balsemão, figura incontornável da História da Comunicação Social portuguesa, debruçou-se, esta tarde, sobre o tema “A cultura é cara, a incultura é mais cara ainda”.
Biografias e romances encerraram manhã

Biografias e romances encerraram manhã

Estamos no penúltimo dia do 20º Correntes d’Escritas e os lançamentos de livros continuam dando a conhecer as últimas novidades da literatura de escritores de expressão ibérica.
“Aprendi a viver em pleno vento” foi o mote da conversa na escola Secundária Eça de Queirós

“Aprendi a viver em pleno vento” foi o mote da conversa na escola Secundária Eça de Queirós

Esta manhã, o Correntes d’Escritas estendeu-se até à escola Secundária Eça de Queirós, no âmbito do Correntes d’Aprender, onde um grupo de escritores vai até às escolas conversar com os alunos.
“E as minhas mãos não podem prender nada”

“E as minhas mãos não podem prender nada”

A Mesa 7, moderada por Marta Bernardes, esta sexta-feira (22) de manhã, partiu do verso “E as minhas mãos não podem prender nada” do poema “Passam os carros”, de Sophia de Mello Breyner, para as criações e interpretações dos escritores convidados: Francisco Duarte Mangas, João Rasteiro, Juan Vicente Piqueras, Karla Suárez, Luís Cardoso e Teresa Moure.