(M/12) Duração: 1h00 (aproximadamente)

Pela Companhia do Chapitô (Lx-PT)

Encenação | John Mowat


SOBRE O ESPECTÁCULO

cemiterio_prazeres

Num ambiente cómico, horripilante, estranho e macabro, estas personagens grotescas e sinistras deambulam numa paisagem sem alma em busca do cheiro do prazer. Reunidos pelo destino neste submundo cruel e intemporal, estas criaturas executam a sua perpétua rotina, enquanto se contorcem em formas de êxtase e tormento.

Mas, mesmo dentro deste sítio bizarro e inquietante, há sempre um sentido da realidade que consegue emergir, desvendando assim, a comédia e a tragédia da condição humana neste Cemitério dos Prazeres.


Ficha Técnica

Criação Colectiva

Direcção Artística | José Carlos Garcia | John Mowat

Encenação | John Mowat

Interpretação | Jorge Cruz | Tiago Viegas

Assistência de Encenação | Marta Cerqueira

Assistência aos Ensaios | Nuno Labau

Desenho de Luz | Paulo Cunha

Guarda – Roupa | Chloé Maxin

Ilustração do Cartaz | Alex Gozblau

Design Gráfico | Sílvio Rosado

Fotografias de Cena e Audiovisuais | Filipe Saraiva | Simão Anahory

Assessoria de Imprensa | Ulika da Paixão Franco

Produção | Tânia Melo Rodrigues | Francisco Leone


COMPANHIA DO CHAPITÔ

A Companhia do Chapitô foi criada em 1996.

Valoriza a comédia pelo seu poder de questionar todos os aspectos da realidade física e social. Cria, desde a sua fundação, espectáculos multidisciplinares assentes no trabalho físico do actor num processo colectivo e em constante desenvolvimento, que convidam à imaginação do público, e que se relacionam estreitamente com este.

Comunica, essencialmente através do gesto e da imagem, quebrando as barreiras linguísticas e afirmando a sua vocação universal, o que lhe permite uma relação muito próxima com os espectadores e que resulta em itinerância nacional e internacional. Desde a sua formação produziu 29 criações originais, apresentadas em Portugal e um pouco Por todo o mundo: Brasil, Cabo Verde, Colômbia, Eslováquia, Espanha, Finlândia, França, Irão, Itália, Noruega e Suécia.

Mais informação: http://chapito.org/