(M/12) duração 60 min
Pelo Varazim Teatro (PVZ-ESP)
A partir de textos de Raúl Brandão e Almada Negreiros
Encenação Eduardo Faria

SOBRE O ESPECTÁCULO
rei_imaginario

O Rei Imaginário ou a ausência de Deus é um espectáculo sem pretensões mas carregado de intenções, onde a personagem Teles, um juiz que acaba em ladrão, escorraçado pela sociedade, é a imagem degradada do homem que outrora foi. Outrora reconhecido e admirado, refugia-se no sonho, esse “régio dom que a natureza, Deus ou o Diabo, repartem pelos desgraçados para os sustentar na vida”. Este indivíduo, igual a qualquer outro indivíduo, não passa de um objecto manipulado e que só se liberta do manipulador pelo sonho. Relata-nos a sua vida funcionando cada palavra, cada frase, cada momento, “como uma faca que se enterra nos espectadores” e que a cada questão colocada penetra mais fundo
atingindo a dor maior amplitude com a inclusão de excertos da Cena do Ódio de Almada Negreiros.
Tentando preservar a ideia que encontramos em Raul Brandão de que o “Teatro deve ser, mais do que qualquer outra obra literária, uma peça sintética, a alma descarnada das coisas apenas, e, por isso mesmo para que apaixone, é preciso que seja simples, cavando fundo no coração humano”.

Ficha Técnica
produção: Varazim Teatro
textos: Raul Brandão e Almada Negreiros
encenação: interpretação: Eduardo Faria
assistência de encenação: direcção de actor: Joana Soares
criação de espaço cénico: Eduardo Faria
desenho de luz: Eduardo Faria e Rui Gonçalves
músicas: José Afonso e António Variações
arranjos sonoros: Vasco Soares
cartaz: Eduardo Faria e Joana Soares
fotografia: design gráfico: Joana Soares
tecnica Guilherme Novo

VARAZIM TEATRO
Companhia anfitriã deste festival, foi criada em Setembro de 1997, tendo em Junho desse mesmo ano já estreado Desimaginação. Nasce da vontade comum de pessoas que encabeçaram os primeiros trabalhos e conquistaram, no ano a seguir à sua formação um protocolo com a Câmara Municipal, apoiando a realização de duas produções anuais.
Em Outubro de 1998 esse protocolo foi alargado, numa demonstração de confiança, passando a prever programação regular de espectáculos.
Sempre tentando fazer mais e melhor a partir dos recursos que possui, produz em 2007 o É-Aqui-in-Ócio – festival de teatro que tem vindo a realizar-se anualmente.
Valendo-se da vontade indómita dos seus fundadores e do árduo trabalho e persistência dos colaboradores, completa 14 anos de actividade em 2011. O Varazim sempre acreditou e sempre acreditará que o Teatro é um caminho.