“Até para o ano em mais um fevereiro”

“Até para o ano em mais um fevereiro”

A 19ª edição do Correntes d’Escritas chegou ao fim com a entrega de prémios aos vencedores dos prémios Casino da Póvoa, Correntes d’Escritas Papelaria Locus e Correntes d’Escritas Porto Editora.
Uma história real ficcionada e um romance sobre memórias do passado de um matemático

Uma história real ficcionada e um romance sobre memórias do passado de um matemático

Para terminar os lançamentos de livros que acontecem todos os anos no Correntes d’Escrita, esta tarde Alicia Kopf apresentou o seu livro Irmão de Gelo e Filipa Martins lançou o seu mais recente livro, Na memória dos Rouxinóis. As duas escritoras estiveram acompanhadas das suas editoras.
Entre mim e o que escrevo, o purgatório

Entre mim e o que escrevo, o purgatório

Centenas de pessoas aguardavam a abertura de portas do Cine-Teatro Garrett para garantirem um lugar na sala e, assim, poderem assistir à última Mesa do Correntes d’Escritas.
Último dia do Correntes d’Escritas conta com mais três apresentações de livros

Último dia do Correntes d’Escritas conta com mais três apresentações de livros

No último dia desta 19º edição do Correntes d’Escritas, na Póvoa de Varzim vão ser apresentados, na Sala de Atos do Cine-Teatro Garrett mais tês livros. A febre das almas sensíveis, de Isabel Rio Novo; A vida é um tango e outras histórias, de Cristina Norton e Ninguém espera por mim no exílio, de João Paulo Sousa. João Gobern apresentou o livro de Isabel Rio Novo, Rui Zink apresentou o livro de Cristina Norton e Carlos Vieira da Veiga Ferreira lançou o livro de João Paulo Sousa.
Um minuto de silêncio pela imparcialidade

Um minuto de silêncio pela imparcialidade

Foi desta forma que encerrou a mesa 9, intitulada “A imparcialidade silencia a escrita”, a pedido do moderador João Gobern. De resto, cinco personalidades, mais uma (o moderador), foram conclusivas, o “livro não pode ser imparcial”.
O politicamente correto é a nova censura?

O politicamente correto é a nova censura?

“O politicamente correto é a nova censura” foi o tema que reuniu à Mesa Daniel Munduruku, Isabel Lucas, Mário Zambujal, Rui Zink e Rodrigo Guedes de Carvalho e o moderador Henrique Cayatte.
Escritores recusam o fracasso na escrita, preferem que seja um pretexto para escrever

Escritores recusam o fracasso na escrita, preferem que seja um pretexto para escrever

Julieta Monginho, magistrada no Ministério Público e escritora portuguesa, abriu as intervenções da mesa com o tema “Escrever é provocar o fracasso”, esta sexta-feira, dia 23, pelas 18h00, no Cine-Teatro Garrett, na Póvoa de Varzim.
O inventário do Sal, de José Alberto Postiga foi apresentado na Universidade Sénior

O inventário do Sal, de José Alberto Postiga foi apresentado na Universidade Sénior

O Correntes d’Escritas tem inúmeras iniciativas paralelas às mesas no Cine-Teatro Garrett, uma delas é uma sessão na Universidade Sénior. Este ano foi apresentado um livro de um poveiro nesta sessão, intitulado O inventário do sal, de José Alberto Postiga.
Correntes à conversa com Antonio Muñoz Molina e José Manuel Fajardo

Correntes à conversa com Antonio Muñoz Molina e José Manuel Fajardo

Esta tarde na Sala de Atos do Cine-Teatro Garrett houve mais um Correntes à Conversa, os convidados foram os escritores Antonio Muñoz Molina e José Manuel Fajardo que conversaram sobre o tema “Escrevo logo sou”.
Não basta soar bem aos ouvidos mas tem que soar bem aos ouvidos

Não basta soar bem aos ouvidos mas tem que soar bem aos ouvidos

Rui Zink, Rita Ray e Michael Kegler, com moderação de Vítor Quelhas, falaram, esta tarde, na Fundação Dr. Luís Rainha, sobre tradução.
“As Correntes são a espuma do azul do sal…”

“As Correntes são a espuma do azul do sal…”

Como é habitual Marta Bernardes, moderadora da Mesa 6 do Correntes d’Escritas, vestiu a camisola…poveira, claro, para apresentar os intervenientes no debate com o tema “Escrevo para me desacorrentar da verdade”.
A ditadura militar, a poesia experimental e um conselho para os jovens: lições aprendidas esta manhã na Eça de Queirós

A ditadura militar, a poesia experimental e um conselho para os jovens: lições aprendidas esta manhã na Eça de Queirós

Ignácio de Loyola Brandão, Fernando Aguiar e Onésimo Teotónio de Almeida visitaram, esta manhã, a Escola Secundária Eça de Queirós, no âmbito do Correntes d’Escritas.